Tiragem

                                                                                                                                               (Raissa Lopes)

De onde virá a certeza que pleiteio? O trem está atrasado. Isso não é comum. O dia está arrasado e mal começou… 

O pano é pouco. A alma é funda. Se escondem juntos. Se aquecem, se esquecem…ou o inverso. Com o inverno vem a flor. A flor fora de estação. Veio encomendada, um pedido único feito no último verão.

Aflora a dor. Abraçam-se os motivos. Perde-se os sentidos, um a um. É tão boa a espera. Tento me convencer dessa antítese íntima. Dessa ficção solene de pouca credibilidade autoral. 

Afasta. Os dias são longos e tão breves. Eles vêm.

Anúncios

Um comentário sobre “Tiragem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s