Quando cheguei

Lomogram_2013-01-19_02-52-42-Tudo estava torto quando eu encontrei. Tentei consertar. Ah! Como eu tentei! Sempre tentando salvar, sempre tentando apagar o incêndio. Mas existem situações quebradas irremediavelmente. Sorrio quando me vejo aqui nessa praia. Sei que aquele rio sempre dá aqui no meu mar. É só fechar os olhos e contar… é só fechar os olhos e esperar. O curso das águas nunca é ao acaso. Trovão cantou perto e eu a quilômetros de casa. Inevitável não me molhar nessa chuva abençoada. Trovão sangrou perto e eu que nem estava machucada chorei de alegria. Inevitável amar a força do som. A força do céu. Tudo estava morto quando eu encontrei. Tentei reanimar. Ah! Como eu tentei! Sempre querendo salgar, beijar os lábios do rei. Sempre tentando disfarçar todo esse poder. Que no fundo eu sei que o mar me deu. E a minha lei foi ele quem escreveu. Fundo, fundo, não apreendi o mundo. Ele é infinito demais. Isso tudo soou triste quando o tom da canção era de satisfação…

(Raissa Lopes)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s