O meu papa não é pop

Na verdade não me importo onde vamos. Mas vamos juntos. Na certeza de que esse momento vai ficar no passado, mas também na memória. Não é a minha intenção te oprimir com o meu batom forte. Ou com o meu vestido um pouco bastante acima do joelho. Eu só quero rir em tua companhia até raiar o dia. Devagar. Nos cercar de traduções interdisciplinares. Nossas poucas sensações legítimas, viscerais. Como nas canções que gosto de escutar. Ouvir algumas letras até o fim me é muito custoso. Como alguém escreveu uma bobagem daquelas? Esses poetas consagrados não são os meus… Sinto falta das palavras certas, nada óbvias, nada dedutivas. Puramente indutivas, sensitivas. Sabe alegoria plena? Nada que soe como “mata a alma e envenena”. Anseio pela genialidade, singeleza, novidade, surpresa na letra da canção. “Nós não precisamos saber aonde vamos, só precisamos ir” não me eleva nem me revela nada de grandioso. Me revela uma completa falta de objetivos na vida, ausência de sentido boba e rebelde sem causa. Um sentimento tão batido e piegas quanto as palavras do verso. Enfim, quem somos nós dois para criticarmos Engenheiros do Hawai? Quem somos nós dois para discordarmos da sabedoria desses poetas populares?

Estava mesmo falando de quê? De como me é precioso vagar contigo pela noite de lua cheia, ou nova, ou velha. Falando dessas coisas tão grandes e miúdas. Infinitas e diminutas. Lembrando dos ventos daquele oeste que não sentimos soprar, pois ainda não estivemos lá. Talvez, talvez, cansei dessa palavra. Ontem vinha no carro no fim da tarde me obrigando a ouvir músicas que o mundo quer que eu goste. Mas nasci com um distúrbio. Não sei ouvir a melodia somente. Eu PRECISO entender a letra. E aí, meu caro… caímos mais uma vez nesse abismo de perder o foco do nosso passeio à luz do luar para que eu possa descrever minha indignação com esses compositores “cults” que querem me fazer engolir goela abaixo. Infinita Highway me doeu. Me doeu, pois não sei o que será de mim que jamais amarei essa canção tão…

Me calo e contemplo o luar.

 

(Raissa Lopes)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s