Chuva de quase verão

por trás da janela

Ela olhava a chuva da janela.

Não queria se molhar,

mas queria fazer parte do milagre,

parte da experiência.

Diminuiu um pouco mais a abertura da janela

Se sentia mais segura assim.

Ela e seus medos.

Todos enxutos.

Todos intactos.

Apenas contemplando o espetáculo líquido do batente do sétimo andar.

(Raissa Lopes)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s